Anuncie aqui

Docente da área de gestão e negócios do Senac Rio Claro dá dicas e explica que a organização financeira deve começar com planejamento e mapeamento antecipados dos principais gastos

Uma das principais preocupações com a chegada do final de ano é o planejamento financeiro. É nessa época que o décimo terceiro salário pode ajudar nos gastos comuns de dezembro e também do início do próximo ano como a compra do material escolar, por exemplo. Porém, para não comprometer a renda desde já, é preciso organizar e mapear as despesas e os tributos com antecedência, além de definir as prioridades. E novembro é o mês ideal para isso.

Segundo Fernando Gotardo, docente da área de gestão e negócios do Senac Rio Claro, a organização econômica deve começar o quanto antes. “É de extrema importância fazer um planejamento minucioso do que será feito com o salário extra. O ideal é ter uma reserva de pelo menos 30% para tentar quitar as dívidas de uma vez. Caso essa opção não seja possível, priorize o pagamento dos débitos urgentes e, depois, verifique as despesas do mês, dando preferência ao que precisa ser pago à vista, como a matrícula escolar.”

Anuncie aqui

Com relação a impostos como IPVA e IPTU, o caminho é outro. “Opte pelo parcelamento dos tributos e faça os pagamentos corretamente, pois a multa em caso de atraso pode chegar a até 20% do total do imposto devido. Evite também cair no cheque especial. É melhor parcelar tudo do que acabar no vermelho e sofrer com os juros altos depois. Empréstimos só devem ser considerados em última instância”, indica.

O docente também recomenda a pesquisa de preços e a renegociação de prazos e dívidas como alternativa em certas oportunidades. “Ao perceber que o dinheiro não dá para bancar alguma conta ou boleto, vale negociar a possibilidade de prorrogar o pagamento ou vencimento. Não esqueça ainda de considerar os gastos básicos, os imprevistos e planos futuros com disciplina. Assim, o dinheiro extra rende muito mais e pode aliviar as contas do período.”

Anuncie aqui