Estação de Tratamento de Água funciona na sede do Saema, no Jardim Cândida
Anuncie aqui

Reajuste foi determinado por resolução da Ares PCJ, agência reguladora dos serviço de água e esgoto; novas tarifas entraram em vigor este mês

As tarifas de água e esgoto de Araras continuam entre as mais baixas da região. Os valores cobrados na cidade, mesmo com o reajuste determinado pela Ares-PCJ (Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí), ainda são mais em conta do que o cobrado em cidades como Rio Claro, Leme e Pirassununga.

Em outubro, a tarifa mínima de água residencial em Araras, que envolve consumo de até 10m³ mensais, passou a ser de R$ 15,34 e a de esgoto R$ 12,27, totalizando R$ 27,61.

Anuncie aqui

Em Rio Claro, de acordo com dados da Ares-PCJ, o valor cobrado pelo mesmo consumo mínimo – de 10m³ – é de R$ 20,64 para a tarifa de água e R$ 20,64 para a de esgoto. A conta residencial mínima sai por R$ 41,28.

Já em Mogi Mirim, cada tarifa custa R$ 17,58 e a conta mínima chega a R$ 36,04. Em Pirassununga, a conta para o consumo mínimo de 10 m³ é R$ 40,22 – somando as tarifas de água e esgoto (cada uma custa R$ 20,11). Em Leme, a tarifa de água custa R$ 25,58, já a de esgoto se divide em duas partes: coleta e afastamento R$ 19,18 e coleta, afastamento e tratamento R$ 21,74.

Em Araras, as tarifas foram reajustadas em 4,94%, de acordo com a resolução n° 307, da Ares-PCJ, de 12 de setembro de 2019. De acordo com o documento, a taxa foi aplicada em todas as categorias e faixas de consumo, a partir de outubro.

O Saema fornece os dados necessários para a Ares-PCJ e o reajuste é autorizado, após análise contábil e estudos diversos. “Trabalhamos para garantir qualidade no sistema de captação, tratamento e abastecimento de água e sempre melhorar os serviços oferecidos à população de Araras”, comentou o vice-prefeito e presidente do Saema, Carleto Denardi.

Ele lembra que a tarifa de esgoto é referente ao sistema de coleta do material na cidade. O tratamento dos dejetos não entra nessa conta. “O tratamento do esgoto é um dos principais problemas da nossa cidade e estamos empenhados em resolver isso de uma vez por todas. As obras da nova ETE (Estação de Tratamento de Água) seguem dentro do cronograma e devem ser concluídas no ano que vem”, acrescentou o prefeito Junior Franco.

Reverter essa situação era uma das principais preocupações dele, desde a época em que assumiu a presidência do Saema, em 2017. Foi na gestão de Junior na autarquia que várias pendências envolvendo a obra foram resolvidas e o projeto definitivo sobre o local foi apresentado à Caixa Econômica Federal.

“Batalhamos para resolver os entraves que envolviam a obra e colocá-la, definitivamente, em andamento. É uma questão de respeito ao meio ambiente e também à população”, completou o prefeito.

A nova ETE começou a ser construída no final do ano passado e tem previsão de entrega em 2020. Complexa e realizada em etapas, a obra atende às exigências da legislação ambiental e conta com a supervisão de técnicos do Saema (Serviço de Água e Esgoto do Município de Araras).

O projeto apresentado pela autarquia e aprovado pelo Governo Federal prevê a utilização do processo de lodo ativado para solucionar de uma vez por todas o impasse envolvendo o tratamento dos efluentes, que se agravou em 2015, quando um dos reatores da antiga ETE, construída na década de 1990, desmoronou e o local foi interditado.

Desde então, a cidade deixou definitivamente de fazer o serviço e passou a despejar todo material coletado diretamente no Ribeirão de Araras, um dos afluentes do Rio Mogi Guaçu.

O Saema está à disposição para mais esclarecimentos pelo telefone 3543 5500 ou pelo e-mail [email protected]

Anuncie aqui