Anuncie aqui

Período de chuvas está chegando e população deve redobrar cuidados contra o Aedes.

Nova análise da densidade larvária aponta Rio Claro com índice 0,6, considerado satisfatório pelos critérios da Organização Mundial de Saúde. O levantamento aponta dados relativos à infestação pelo Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue e outras doenças. No levantamento anterior, de julho, o índice foi 0,4, também classificado como satisfatório. Os números de abril (1,7) e janeiro (1,6) colocaram o município em situação de alerta. De acordo com OMS os índices inferiores a 1% são considerados satisfatórios; 1% a 3,9% indicam situação de alerta; e índices superiores a 4%, risco de surto.

Na mais recente vistoria, realizada na primeira semana deste mês, foram analisados 2.456 imóveis, escolhidos de forma aleatória em todas as áreas do município, seguindo o sistema da Superintendência do Controle de Endemias (Sucen).

Anuncie aqui

“Conseguimos reduzir o número de larvas do mosquito no segundo semestre graças ao importante trabalho de nossos agentes de endemias e a essencial participação da comunidade, mas a guerra contra o Aedes não pode parar”, comenta o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria. “Pedimos que a população se mantenha engajada pela eliminação de criadouros”, frisa.

Além das vistorias e mutirões feitas pelas equipes da rede de saúde, o setor de Educação e Informação da Secretaria Municipal de Saúde, realiza palestras educativas e envia material de  orientação aos meios de comunicação e redes sociais, visando a conscientização da população na eliminação da água parada e remoção de objetos inservíveis que possam servir de criadouros para o mosquito transmissor.

Boletim da Vigilância Epidemiológica divulgado nesta semana aponta 1178 casos confirmados de dengue em Rio Claro neste ano, além de um de chikungunya. Não há registros de zika vírus e febre amarela.

Para a secretária municipal de Saúde, Maria Clélia Bauer, a aproximação do período de chuvas exige que todos redobrem a atenção para que os potenciais criadouros do mosquito sejam eliminados. “Constatamos que 88% dos criadouros estão em imóveis habitados, o que mostra o papel fundamental que cada um pode desempenhar tomando cuidados básicos contra a dengue”, comenta. Duas ações muito simples são totalmente eficazes: não jogar lixo nas ruas e terrenos e não deixar qualquer quantidade de água acumular, em casa ou na rua.

Para o descarte correto de materiais, a prefeitura mantém seis ecopontos, coleta de lixo domiciliar em todos os bairros, coleta seletiva e serviço de cata bagulho.

Anuncie aqui