Secretário da Saúde destaca que medida será reforço importante no combate à dengue.

Os mais de cem prédios públicos municipais de Rio Claro passarão a ter tolerância zero na eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti. A fiscalização será feita por servidores municipais que integrarão as brigadas de cada órgão municipal. A proposta, apresentada nesta semana pelo secretário municipal de Saúde, Djair Francisco, tem como objetivo intensificar o combate ao mosquito que transmite dengue, chikungunya e zika vírus.

De acordo com o secretário Djair, a proposta está amparada em decreto do Ministério da Saúde de julho de 2016 e surge também em razão do alerta de especialistas da possibilidade do País passar por novas epidemias de Zika e chikungunya, a partir do mês que vem ou janeiro de 2019.

“Nosso objetivo agora é intensificar ainda mais o combate ao mosquito, envolvendo todos os setores da administração para que cuidemos de eliminar potenciais criadouros nos prédios em que trabalhamos”, afirma o secretário, ressaltando que o mais recente estudo de densidade de larvas do Aedes indicou estado de alerta em Rio Claro.

Uma reunião deverá ser marcada nos próximos dias para o detalhamento do funcionamento e composição das brigadas, que não terão custos ao município, pois serão formadas exclusivamente por servidores municipais no expediente de trabalho. “Nossa sugestão é de que os que trabalham na limpeza e manutenção façam parte das brigadas”, informa o secretário da Saúde. Todos receberão orientações do Centro de Controle de Zoonoses.

A proposta de vistorias periódicas nos prédios públicos ganhou apoio dos demais secretários municipais. “A prefeitura já realiza o trabalho de limpeza de terrenos, que é importante no combate à dengue, e com as brigadas vamos olhar mais de perto os nossos prédios”, afirma Emílio Cerri, secretário de Agricultura. “Nas escolas municipais já temos feito a conscientização, porém este cuidado mais rigoroso com imóveis municipais também é muito importante no combate ao mosquito”, destaca Adriano Moreira, secretário da Educação.

“A idéia é que cada brigada elimine os criadouros do mosquito e, quando necessário, acionem nossos agentes de saúde para providências em problemas de solução mais difícil”, explica o secretário Djair Francisco.